Páginas

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Caged: mercado de trabalho desaquecido deve comprometer crescimento das vendas no comércio


Geração de empregos no comércio teve o segundo pior desempenho entre setores pesquisados. Para CNDL e SPC, comércio deve crescer 4,5% neste ano


A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) avaliam que o desaquecimento do mercado formal de empregos deve comprometer o crescimento das vendas no varejo para este ano. As entidades mantém a expectativa de que o comércio cresça 4,5% em 2013 ante o crescimento de 6,75% registrado em 2012.

Na avaliação de Roque Pellizzaro Junior, presidente da CNDL, a piora da geração de empregos é reflexo do mau desempenho da atividade econômica, que ainda não conseguiu mostrar sinais de recuperação neste inicio de segundo semestre.

Pellizzaro destaca que ao longo dos últimos anos, o aumento recorde de brasileiros com carteira assinada e o aumento real da renda foram principais motores para impulsionar o setor.

Segundo Pellizzaro Junior, os dados divulgados em julho apontam uma mudança de trajetória que deve comprometer o ritmo de vendas no comércio brasileiro. “Apesar do aumento na criação de novas vagas, o desempenho de julho é ruim para o comércio. A empregabilidade dá sinais de cansaço e tanto o governo como o mercado têm revisado sistematicamente as projeções de crescimento da atividade econômica. Isso impacta nas estimativas para o final do ano“, alerta ele.

Empregabilidade no comércio
Segundo dados divulgados nessa quarta-feira pelo Ministério do Trabalho, tendo como base informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o mês de julho apresentou a pior geração de novos empregos dos últimos 10 anos.

Na comparação com julho de 2012, foram criados 70,9% a menos de empregos formais. Já no acumulado do ano – de janeiro de 2013 a julho de 2013 – na comparação com o mesmo período do ano passado, o aumento na geração de novos postos foi inferior em 33,5%.

Dos seis setores avaliados que apresentaram crescimento, o comércio teve o segundo pior desempenho (+0,02), ficando a frente apenas da área de administração pública (+0,1%). Quando levado em consideração somente o segmento do comércio varejista, o resultado é ainda pior, e apresenta uma leve retração de 0,1%, o que na avaliação da CNDL configura estagnação na geração de novos postos de emprego.


Fonte: Assessoria de Imprensa da CNDL