Páginas

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Proteção aos superendividados pode virar lei

Legislação é avaliada para disciplinar a oferta de crédito ao consumidor e previnir o superendividamento

Projeto prevê educação financeira para os endividados (Foto: Divulgacão)

A preocupação com o superendividamento dos brasileiros pode levar à criação de uma lei de proteção ao consumidor. O Projeto de Lei do Senado 283/12, que disciplina a oferta de crédito ao consumidor e previne o superendividamento, pode ser votado no plenário da Casa ainda este mês. O projeto faz parte da reforma do Código de Defesa do Consumidor, que também inclui proposta que regulamenta as compras pela internet.
O projeto prevê a garantia do crédito responsável, a educação financeira e a prevenção e tratamento das situações de superendividamento. Estabelece ainda o conceito do “mínimo existencial” de renda, que deve ser garantido por meio de revisão e repactuação de dívidas. De acordo com o projeto, a soma das parcelas reservadas para pagamento de dívidas não poderá ser superior a 30% da remuneração mensal líquida e, assim, será preservado o “mínimo existencial”.
O projeto também prevê que, a pedido do consumidor, o juiz poderá instaurar processo de repactuação de dívidas, com realização de audiência conciliatória. Nessa audiência, o consumidor apresentará uma proposta de plano de pagamento, com prazo máximo de cinco anos, sempre preservando o mínimo existencial.
A asssessora do Procon-SP Vera Remedi considera que o mais preocupante, atualmente, são os consumidores que pagam as contas todos os meses, mas têm endividamento acima da renda. Ela lembra que muitos usam o crédito caro, como rotativo do cartão de crédito e cheque especial para rolar suas dívidas.
“O que mais me preocupa são os superendividados adimplentes. Não existem muitas propostas para renegociar dívidas. As pessoas, às vezes, têm só 20% da renda para o pagamento de despesas básicas de alimentação, transporte e moradia, daí usam cartão de crédito e cheque especial e ficam sem saída. A pessoa assume muitos contratos que não são adequados à sua situação financeira”, explica.
Para Vera, há uma irresponsabilidade na concessão de crédito no país. “Os consumidores cobrem uma dívida com juros muito altos. Ainda contribui para isso a venda casada de seguro, o crédito com troco, as ofertas de crédito por telefone ou caixa eletrônico. Tudo o que é mais fácil, tem juros mais altos. Todas são contrações feitas na base da emoção do consumidor”, ressalta.
Procon-SP tem um programa para ajudar os superendividados. É o Núcleo de Tratamento do Superendividamento, que atende consumidores insolventes e ajuda na tomada de medidas preventivas e corretivas. Segundo Vera, 2.822 consumidores já foram a palestras sobre o assunto e 1.142 superendividados receberam orientação individualmente.
Pela internet é possível encontrar algumas ferramentas de apoio aos superendividados. O Banco Central, por exemplo, oferece em seu site uma cartilha com orientações sobre como sair do superendividamento. E na página da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o consumidor encontra uma ferramenta para organizar as receitas e despesas, o Jimbo.
Segundo a superintendente de Serviços ao Consumidor da Serasa Experian, Maria Zanforlin, pode ser considerado como superendividado o consumidor que tem mais de quatro dívidas. “Ocorre quando a pessoa fez mais compras do que pode pagar e precisa de crédito”, explica.
“O consumo estimula a economia, mas é preciso haver um consumo consciente. Só comprar o que realmente precisa. A felicidade com uma compra é muito curta”, alerta Maria Zanforlin. Segundo ela, uma boa dica é anotar tudo o que se compra para saber quanto consumiu ao final de um dia.
“No Brasil, a questão do consumo é nova. São 20 anos do Plano Real. Não tivemos educação financeira necessária”, disse.

Fonte: Agência Brasil


quarta-feira, 16 de abril de 2014

Bancos fecham nos dias 18 e 21, devido aos feriados nacionais de Sexta-feira da Paixão e Tiradentes

Foto: Guga Matos/JC Imagem


Os bancos não vão abrir nos próximos dias 18 e 21, devido aos feriados nacionais de Sexta-feira da Paixão e Tiradentes, informou nesta quarta-feira (16) a Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

A Febraban orienta a população a utilizar os canais alternativos de atendimento para fazer as operações bancárias, como caixas eletrônicos, Internet Banking, Mobile Banking, banco por telefone e correspondentes (casas lotéricas, agências dos Correios, redes de supermercados e outros estabelecimentos comerciais credenciados).

As contas com vencimento marcado para os feriados, como as de consumo (água, luz, telefone e TV por assinatura, por exemplo) e os carnês, poderão ser pagas no próximo dia útil subsequente (22), sem incidência de multa. Os tributos, normalmente, já estão com data ajustada pelo calendário de feriados (federais, estaduais e municipais).

Os clientes também podem agendar nos bancos o pagamento das contas de consumo ou pagá-las (as que têm código de barras) nos próprios caixas automáticos, ou em correspondentes. Já os boletos bancários de clientes cadastrados como sacados eletrônicos poderão ser agendados ou pagos por meio do Débito Direto Autorizado (DDA).

Fonte: JC Online

CDL Surubim parabeniza seu Agente de Registro, Luís Fernando Germano. Feliz aniversário!

Luís Fernando ladeado pela Assistente Administrativa, Jaciene Campos
 e pela Secretária Executiva, Viviane Florêncio.


A CDL Surubim deseja felicidades ao Agente de Registro, (Certificado Digital), Luís Fernando Germano, por mais uma data comemorativa em sua vida. 


Por esse motivo todos (a), que fazem a CDL Surubim lhes desejam um feliz aniversário! Parabéns.

Governo estima salário mínimo de R$ 779 para 2015

Governo estima salário mínimo de R$ 779 para 2015. Foto:  Imagens.USP

Com estimativa de crescimento da economia de 3% e inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), em 5% para 2015, o governo encaminhou nesta terça-feira (15) ao Congresso Nacional, o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015 (LDO-2015). Pelo projeto, o salário mínimo será reajustado em 7,71% e vai ficar em R$ 779,79 em 2015.

O governo estima que o superávit primário para o setor público consolidado será de R$ 143,3 bilhões, valor que corresponde a 2,5% do Produto Interno Bruto (PIB) - soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Com o abatimento dos R$ 28,7 bilhões destinados ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a meta do superávit primário fica em R$ 114,7 bilhões (ou 2% do PIB).

Superávit primário é a poupança para pagar os juros da dívida que o governo tem com outros países e outros credores. Na medida em que o país consegue alcançar as metas de superávits primários, indica que tem condições de pagar suas dividas.

A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) tem como principal finalidade orientar a elaboração dos orçamentos fiscais e da seguridade social e de investimento dos poderes Executivo, Legislativo, Judiciário, das empresas públicas e das autarquias.

Com a LDO, o governo estabelece as metas e prioridades da administração pública federal, incluindo as despesas de capital para o exercício financeiro do ano seguinte.

A LDO tem de ser enviada pelo Executivo ao Congresso até 15 de abril e aprovada pelo Legislativo até 30 de junho. Se não for aprovada nesse período, o Congresso não pode ter recesso em julho. A aprovação da LDO é a base para elaborar o Projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA), que deve ser apreciada pelo Congresso Nacional até agosto.

Como é lei, após sancionada, nenhum governante deve aumentar despesas, gastar mais do que está previsto na Lei Orçamentária ou criar novos impostos para o pagamento de suas  contas sem autorização do Legislativo.

Com a Lei de Responsabilidade Fiscal, a LDO passou a ter um papel importante na condução da política fiscal do governo, devendo estabelecer e indicar as metas fiscais a serem atingidas a cada exercício financeiro a que se refere.

Fonte: Agência Brasil / Blog Negócios e Informes

terça-feira, 15 de abril de 2014

Estudo do SPC Brasil mostra que 56% dos empresários esperam vender mais com a realização da Copa do Mundo


Hotelaria é o segmento que mais irá lucrar, seguido pela alimentação. 40% dos empresários que investiram para a Copa das Confederações não tiveram o faturamento esperado

Um estudo realizado pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) com empresários do ramo de comércio e prestação de serviços mostrou que 56% dos empresários têm a expectativa de aumentar suas vendas durante o período de realização da Copa do Mundo no Brasil. Desse percentual, 16% afirmam estar extremamente otimistas quanto à possibilidade de vender mais. Cerca de um terço (33%) dos entrevistados estão indiferentes, isto é, acreditam que as vendas não devem se alterar em função do torneio e somente 7% esperam queda nas vendas.


O levantamento também detectou distintos graus de otimismo por segmentos pesquisados. Os empresários do setor de hotelaria são os que têm melhores perspectivas de lucratividade durante a realização do torneio no Brasil. Quase 70% dos entrevistados gestores ou donos de empreendimentos na área de hotelaria, pousadas e albergues acreditam que o seu setor será um dos que mais lucrará com a Copa. Empresários do setor de lazer (56%), alimentação (55,6%) e transporte (38,2%) também estão otimistas, mas em menor escala.


Em posição oposta, está o setor do comércio. O percentual dos que avaliam que o seu segmento será um dos que menos vai lucrar (27,5%) é maior do que os que projetam grande faturamento nas vendas (23,8%).



Na avaliação do presidente da CNDL, Roque Pellizzaro Junior, os feriados decretados em dias de jogos e o horário reduzido de funcionamento de alguns estabelecimentos comerciais explicam, em parte, o pouco entusiasmo dos comerciantes com a realização da Copa. Exemplo disso, é que o comércio figura como o segmento em que mais empresários reduzirão o horário de atendimento ao público quando as seleções estiverem em campo: 19% nas lojas de rua e 20% nas lojas localizadas nos shopping centers. Por outro lado, a maior parte dos empresários do ramo de transporte e lazer ampliará o horário de atendimento, com 33% e 34% dos casos, respectivamente.


"O turista que vem para a Copa não está interessado exatamente em comprar, mas sim em gastar com lazer, alimentação, transporte e atrações turísticas. Por isso que os segmentos apresentam percepções diferentes quanto à realização da Copa", justifica Pellizzaro Junior. 


Diferenças regionais

Quando avaliados por cidade-sede, constata-se que os empresários mais otimistas são os cariocas. Pelo menos 45% dos entrevistados acreditam que o volume de vendas crescerá muito durante os jogos, enquanto que dentre os mineiros e paulistas, apenas 8% e 5%, respectivamente, acreditam num crescimento muito elevado. Já em Salvador, Fortaleza e Recife, o percentual de muito otimistas é de 19%, 16% e 15%, respectivamente.


Para o gerente financeiro do SPC Brasil, Flávio Borges, a percepção mais favorável por parte dos empresários cariocas pode estar relacionada ao fato de o Rio de Janeiro ser uma cidade essencialmente turística e que, tradicionalmente, abriga eventos de grande repercussão internacional.


"No geral, percebemos que os entrevistados das cidades litorâneas são mais otimistas com o crescimento das vendas, possivelmente por avaliarem que o público da Copa vai se sentir atraído também pelas belezas naturais da região, gastando mais tempo e dinheiro com a estadia. Tanto que o Rio de Janeiro é a cidade que tem a maior expectativa de receber turistas estrangeiros, na opinião de um terço dos empresários pesquisados", conclui Borges.


Pouca preparação


Seis em cada dez (63%) empresários entrevistados não fez e nem irá fazer modificações ou investimentos no próprio negócio em função da Copa do Mundo. Dois em cada dez (19%) pretendem se preparar, mas ainda não começaram e 18% já estão preparados.


O Rio de Janeiro aparece com o mais alto percentual de empresários que não tem o interesse em se preparar (78%), seguido por São Paulo (70%) e Brasília (67%). Para Pellizzaro Junior, a decisão de não investir na melhoria do negócio não significa, necessariamente, falta de interesse em lucrar com o evento. "Mas pode sinalizar que essas cidades, em especial, já possuem uma capacidade instalada suficiente para suportar a demanda extra".


Já as capitais do Nordeste, que não tem a mesma tradição em abrigar grandes eventos internacionais, tendem a avaliar a Copa do Mundo como uma oportunidade de crescimento e demonstram uma maior preocupação com os preparativos. Em Fortaleza, 81% dos entrevistados afirmaram que já se prepararam ou que pretendem se preparar para o evento, em seguida surgem Recife (72%) e Salvador (59%).


Dentre os que não pretendem fazer investimentos, 42% justificam a decisão pela descrença de que haverá um aumento significativo da demanda que dispensem investimentos em seus negócios.



Aprendizado com a Copa das Confederações


A experiência com a Copa das Confederações - evento teste da FIFA realizado ano passado em quatro capitais brasileiras - ajudam a explicar o fato de o empresariado estar, em boa parte, reticente em relação às oportunidades de crescimento que a Copa do Mundo pode gerar. Em geral, 55% dos entrevistados afirmaram que se prepararam para a competição realizada no ano passado. Porém, para 40% dos que investiram, o retorno ficou "abaixo" ou "muito abaixo" do esperado. Por outro lado, 44% disseram que o volume de vendas foi "dentro do esperado" e apenas 16% avaliam que o resultado ficou "acima" das expectativas.


Formas de preparação para o evento


Dentre os 37% de empresários que afirmam ter se preparado ou estão se preparando para receber mais demandas durante a Copa do Mundo, percebe-se que a maior parte das adequações está relacionada à ampliação de estoques (51%) e contratação de funcionários (40%). Na sequência, surgem investimentos como aumento da variedade de produtos (39%) e treinamento de equipe (37%). Dos empresários que estão se preparando, a maioria (36%) começou os preparativos há menos de três meses e 30% num período entre seis meses e um ano.


No setor de comércio de rua e shopping center, o investimento mais comum é a ampliação do estoque, com 57% e 54%, respectivamente. Já a contratação de funcionários foi a opção mais citada pelos empresários do ramo de hotelaria (60%), alimentação (54%) e diversão (58%). Por fim, os empreendedores de transportes e agências de turismo têm apostado principalmente no treinamento da equipe, com 38% e 69%, dos casos.

Apesar da contração de funcionários ser uma das mudanças mais citadas, a falta de mão de obra qualificada foi a maior dificuldade encontrada pelos empresários, citada em 35% dos casos.


Para investir nas melhorias do próprio negócio, apenas 5% recorreram a empréstimos em nome da empresa. A maioria (85%) dos empresários teve de utilizar capital próprio, entre poupança, reservas pessoais e até mesmo venda de imóveis ou outros bens de valor.


"O alto percentual de empresário que tirou dinheiro do próprio bolso para investir comprova que a concessão de linhas de crédito para o pequeno e médio empresário ainda esbarra em inúmeros trâmites burocráticos, que acabam dificultando bastante a tomada de crédito por esses empreendedores", afirma Pellizzaro Junior.


Metodologia


A pesquisa teve como objetivo avaliar as expectativas dos empresários dos setores do comércio e prestação de serviços para a realização da Copa do Mundo de futebol no Brasil. Para isso, ouviu-se 600 proprietários e gestores de empresas cujo segmento de atuação tem relação direta com o evento nas sete cidades-sede que mais receberão partidas (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Salvador, Recife e Fortaleza). A margem de erro é de 4,00 pp.



Baixe a pesquisa completa em

Informações a imprensa:

Guilherme de Almeida
(61) 3213-2030 | (61) 8350 3942
guilherme.dealmeida@inpressoficina.com.br


sábado, 12 de abril de 2014

Economize na Páscoa com presentes alternativos

O feriado mais doce do ano está chegando e as crianças não veem a hora de ganhar ovos de Páscoa.  O problema é que este produto tão esperado pelos pequenos pode pesar no bolso dos pais e familiares.

Segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), os ovos de Páscoa estão 7,9% mais caros em 2014, além de custarem até seis vezes mais do que barras de chocolate tradicionais. Ou seja, com R$23,00, média de preço de um ovo de 215 gramas, você consegue comprar quase seis barras da mesma marca, que custa R$4.

7,9% mais caro, os ovos de chocolate podem atrapalhar o controle financeiro.
Invista em ideias criativas para adoçar a Semana Santa da família.


Pensando nisso, o Portal Meu Bolso Feliz reuniu quatro ideias criativas para você alegrar a vida das crianças sem desestabilizar suas finanças:

1 – “Desde sempre eu penso em presentes alternativos para minha sobrinha. Já dei saquinhos de confete colorido ou brinquedos simples como cartelas de adesivos ou canetas coloridas. E mais: ela adora a surpresa, afinal, o presente nunca se repete”, Isabel Armesto, 30 anos, dentista.

2 – “Como meu filho não pode comer chocolate ao leite, comecei a pensar em alternativas criativas. Ano passado, por exemplo, eu espalhei saquinhos cheios de bala pela casa. E descobri que o que mais as crianças curtem é a busca pelo prêmio. Por isso, faço pegadas de coelho com talco por todo lado. É o sucesso do domingo de Páscoa”, diz Danielle Cabral Atkins, fisioterapeuta do Rio de Janeiro.

3 – “Minha família é grande e eu adoro presentear meus filhos e sobrinhos. Mas com o preços dos ovos, começou a ficar complicado. Ano passado comprei quatro barras de chocolate sortidos para cada um e embrulhei cada quarteto com celofane colorido. Eles adoraram”, diz Renato Macedo, 42 anos, publicitário de São Paulo.

4 – Doces caseiros costumam ser mais baratos do que os ovos de Páscoa vendidos em supermercados. Bolinhos coloridos, por exemplo, são deliciosos, divertidos e as crianças adoram. “Meu cupcake custa R$6 e, para Páscoa, eu faço uma decoração especial”, diz Márcia Anunziato, dona da doceria É dia de Bolo.

Alguns blogs listam ideias  para divertir os pequenos no próximo feriado. Aqui, escolhemos três deles:

Cryopraxis  

Assim, entre fantasias de coelho, brincadeiras divertidas e algumas lembranças é possível garantir uma Páscoa cheia de novidades para família toda e, claro, sem gastar muito.

Fonte: Portal Meu Bolso Feliz